Crises, como a disseminada pelo Coronavírus, tem difundido a prática do home office e a urgência que o atual período exige não tem permitido que a adoção seja planejada e ocorra de maneira organizada, com estratégia organizacional, entretanto, esta forma de trabalho tem várias implicações que podem até prejudicar o desempenho da organização.

As recentes tecnologias têm transformado o modo como trabalhamos e o home office tem se popularizado como importante forma de relação entre empresa em funcionário, os motivos amplos, passam rela redução do tempo no trânsito, diminuição dos gastos com o escritório, aumento de produtividade, melhora no clima organizacional e, recentemente, conter a propagação de doenças.

Apesar dos bons indicadores, cabe ressaltar que, tirando os casos excepcionais como o do coronavírus, a prática de home office deve ser uma opção do funcionário, que conhece as condições de trabalhar em sua casa, além disso, muitos indivíduos necessitam da rotina in loco e não conseguem desempenhar fora do ambiente do trabalho, ainda, mesmo aqueles que optem pelo home office precisam frequentemente comparecer ao trabalho para acertar questões pessoalmente, na maioria dos casos.

Segundo um estudo realizado pela sociedade brasileira de teletrabalho (sobratt), a implantação do home office resulta em um aumento de 20% de produtividade e redução de 25% no índice de faltas. O estudo contou com a participação de 325 empresas de diferentes segmentos em âmbito nacional e buscou levantar os principais fatores envolvendo o home office. Segue abaixo alguns dados da pesquisa:

Principais Segmentos que Praticam:

  • Tecnologia da Informação e Telecom
  • Químico, Petroquímico e Agroquímico
  • Serviços de Suporte e Provimento
  • Bens de Consumo
  • Máquinas, Equipamentos e Automação

Principais Departamentos:

  • Tecnologia da Informação
  • Marketing e Vendas
  • Recursos Humanos
  • Gestão de Projetos
  • Controladoria e Finanças
  • Jurídico

Como pôde ser visto, apesar das várias vantagens, existem riscos inerentes ao home office e diferentes tipos de empresa aderem, mais ou menos, à prática. Importante é destacar que em geral as organizações que optam têm ganhos de performance.

Antes de uma empresa investir em home office é razoável que se realize um estudo prévio que demonstre a potencialidade no seu emprego e que concilie o home office a estratégia organizacional, a fim de evitar possíveis embaraços e criar situações que acabem prejudicando a empresa. Análises, como a de home office, compõe os estudos Estratégias Organizacionais da Smart3, para maiores informações entre em contato.

 

#estratégiasorganizacionais #homeoffice #oportunidades #competitividade #Smart3 #coronavírus

Leave a Reply

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.