Skip to main content

O cenário global tem demonstrado expectativas positivas, com juros baixos e possível pressão inflacionária, no médio prazo. O resultado vem dos estímulos fiscais, para combater os prejuízos causados pela pandemia.

Nesse contexto, ativos reais, como imóveis, por exemplo, chamam a atenção dos investidores, como alternativas para rendimentos. Mas nessa classe de ativos, um investimento pouco conhecido é o de floresta plantada.

Embora pouco difundidos, os ativos florestais são ótimas opções para quem está em busca de boa rentabilidade e agenda positiva, simultaneamente.

As mudanças econômicas, ocorridas recentemente no Brasil, transformaram o investimento em florestas atrativos para o capital, tanto nacional como internacional.

E para quem já conhece, mas não investiu, devido ao valor do tíquete, uma novidade é a possibilidade de compra das cotas da plantação, através de crowdfunding de investimentos. O que, resumidamente, é um financiamento coletivo por meio de meio de plataformas colaborativas.

No entanto, ainda que as perspectivas sejam as melhores, investir em florestas plantadas também inclui riscos, os quais devem ser avaliados antes de qualquer decisão financeira.

Pensando nisso, neste post, entenda como funciona esse mercado e os detalhes que você precisa saber, antes de investir. Veja os tópicos que separamos:

  • Mercado florestal: como funciona e tendências
  • Custos do investimento
  • Riscos

Mercado florestal: como funciona e as tendências para investir

O mercado de floresta plantada funciona com a oferta de uma área, com potencial plantio, para o investidor adquirir. A empresa cuida desse sítio, planta e toma conta de todo ciclo da árvore, até que elas estejam prontas para o corte.

Também é possível fazer a plantação por conta própria, porém, além da posse ou arredamento do local, é preciso conhecimento prévio sobre as técnicas de plantação.

Por isso, fazer esse processo de forma compartilhada com uma empresa, torna-se mais interessante, devido à possibilidade de ter alguém para cuidar das árvores. Sem falar, que há ainda a opção compartilhada de investimentos. Ou seja, ao invés de comprar sozinho uma área rural, é possível adquirir cotas da plantação.

Essa possibilidade abre as portas para pequenos investidores que desejam entrar no ramo. O que antes era limitado para perfis de alto investimento.

Entre as espécies mais cultivadas estão árvores como Pinus, Eucalipto, Mogno Africano, Teca e Paricá, as quais possuem madeiras de alta qualidade e aceitação no mercado.

Os fundos de investimentos, dessas árvores, podem durar até mais de 20 anos, período de cultivo até que a madeira esteja pronta para a venda. Assim, esse é um investimento de retorno a longo prazo.

Atualmente, ainda se cortam florestas naturais, com foco em espécies nobres, como o Mogno, e sem realizar o manejo adequado, consequentemente, prejudicando o meio ambiente como todo. É possível mudar isso com o investimento em florestas plantadas, o que demonstra ser uma tendência.

De acordo com um levantamento feito pela Consufor, o volume de recursos em florestas no Brasil já ultrapassou R$8 bilhões. Além disso, a destruição das florestas naturais tornará plantações relevantes, contribuindo para a restauração de ecossistemas e desempenhando negócio lucrativo.

Custos para investir em florestas plantadas

investir em florestas plantadas

Ao investir, é importante pensar no valor da terra. Dessa forma, características como relevo, clima, solo, região, etc., podem influenciar na rentabilidade do plantio. Sem falar que é preciso considerar os custos com a colheita e transportes, levando em consideração os preços das madeiras, para compensação de tais custos.

Uma das que possuem maior potencial é o pinus, com diversos produtos destinados como celulose, serraria, chapas e energia.

Os fundos florestais se limitavam para investidores classificados como profissionais pela legislação, com mais de R$10 milhões em aplicações financeiras. Isso porque, o tíquete inicial de investimento pode ser a partir de milhões.

Contudo, surgiram novas opções, promovidas por startups, para pequenos investidores. Assim, o investimento no plantio é feito de maneira compartilhada, com investimentos a partir de R$400,00 e com bons retornos.

Riscos de investir em florestas plantadas

Apesar das boas expectativas de lucros aliadas à sustentabilidade, como todo negócio, esse também possui seus riscos.

Entre eles, pragas, incêndios ou desvalorização do preço da madeira. Em relação aos riscos com pragas, o Mogno Africano é uma boa opção por sua resistência.

Portanto, devido a esses e outros aspectos, é fundamental conhecer a cadeia produtiva, o sistema de produção e o planejamento da atividade, antes de começar a investir.

Para isso, faça um investimento assertivo contando com a Smart3 Consultoria Empresarial. Somos especialistas em estratégia organizacional, estudos de inteligência de mercado e consultorias para empresas florestais. Entre em contato e saiba como podemos te ajudar.

Fale Conosco

3 Comments

Leave a Reply

This site is protected by reCAPTCHA and the Google Privacy Policy and Terms of Service apply.